Bom dia!

 

CBOT inicia a semana dando continuidade ao movimento de baixa, após algum rali no noturno.
A recomposição dos estoques globais somada a uma demanda compradora lenta fortalece o movimento.

Na véspera as cotações de soja foram influenciadas, por dados americanos de exportação fracos, o mais baixo do ano comercial e por cancelamentos de compras de destinos não mencionados.
O rápido avanço da colheita brasileira, que historicamente nesta época atraem o interesse asiático, bem como a leve melhora nas condições das lavouras da Argentina, conforme relatório da Bolsa de Cereales de Buenos Aires, corroboram com a pressão baixista, fundos especuladores de mercado seguem aumentando sua exposição vendida.

Para o milho, a oferta volumosa dos EUA e a perspectiva de mais uma safra robusta no país e início da colheita na Argentina fecham o tom pessimista para as cotações do cereal.
No BR a B3 operou com limite de baixa com a notícia que a Ásia tenderá a comprar mais origem Ucraniana ao invés de sul-americana.

Comissão europeia se reúne hoje para buscar soluções de curto e médio prazo, para reduzir a burocracia para os agricultores e uma pesquisa on-line deve ser lançada para coletar dados e buscar soluções práticas para a crise. “No farmers, no food”.

Principais bolsas mundiais trabalham estáveis.
Agenda cheia na terra do Tio Sam, Europa e Ásia.
Investidores seguem atentos aos conflitos armados, imbróglio no mar-vermelho e a crise imobiliária chinesa.

Eleições nos EUA, Trump segue vencendo as primarias em importantes estados americanos, as eleições gerais contra o presidente Biden, serão novembro.

Petróleo -0,50%;
Minério de Ferro -3%;
DXY -0,10%;

No BR, na última semana do mês, teremos agenda cheia com dados industriais, inflação, emprego e reuniões do G-20.
Destaque para o anúncio do PIB, formação da PTAX do mês deve garantir a volatilidade no câmbio bem como a divulgação de balanços das grandes empresas.
Com a saca da soja, em média, próximo a R$100,00/sc governo busca soluções segmentadas de ajuda financeira ao setor agro, como por exemplo, a prorrogação de financiamentos e adiantamento de custeios buscando mitigar uma possível crise.

Boa semana, bons negócios!

Compartilhe nas redes sociais

Os comentários estão fechados.