Boa tarde, a Bolsa de Chicago segue em baixa nos principais ativos com pressão vendedora por conta dos problemas logísticos nos portos do rio Mississippi após a passagem do Furacão Ida. Um elevador de grãos da Cargill danificado pelo furacão em Reserve, Louisiana, foi responsável por quase 9% das exportações marítimas de milho, soja e trigo dos EUA até agora em 2021, de acordo com a análise da Bloomberg dos dados do USDA. Os embarques do USDA mostram um total de 6,45 milhões de toneladas de produtos agrícolas carregados no terminal da Cargill, com 5,3 milhões de toneladas de milho no topo da lista. O principal destinatário das safras pelo elevador neste ano foi a China, recebendo 47% de sua produção, incluindo 2,5 milhões de toneladas de milho e 485.000 toneladas de soja.


Fundos vendedores ontem estimados em 12.500 contratos de milho, 6.500 contratos de soja, 3.000 contratos de óleo de soja, 2.500 contratos de trigo, 1.000 contratos de farelo de soja.

O Conselho Internacional de Grãos reduziu a estimativa de produção mundial de grãos em 2021/22 em 12 milhões de toneladas, para 2.283 milhões, principalmente por causa de safras de trigo e cevada menores do que as estimadas anteriormente no Canadá, Rússia e EUA. Na soja a produção 2021/22 foi reduzida em 2 milhões de toneladas, para 380 milhões de toneladas, contra 362 milhões da safra 2020/21. No milho a estimativa de produção ficou inalterada em 1,202 bilhão de toneladas, contra 1,127 bilhão da safra anterior.


A ANEC (Associação Nacional dos Exportadores de Cereais) reduziu a estimativa do total exportado de soja pelo Brasil em agosto para 5,785 milhões de toneladas, de 5,986 milhões da estimativa anterior e contra 5,57 milhões de agosto de 2020. No milho a estimativa de exportação foi reduzida de 4,737 milhões para 4,344 milhões de toneladas, ante 6,68 milhões exportadas em agosto de 2020.


O número de mortos em todo o mundo causados pelo novo coronavírus (Covid-19) subiu para 4.523.209 hoje, de 4.513.863 até ontem, com 217.880.523 casos confirmados. Desde ontem são mais de 500.000 novos casos confirmados. Em todo o mundo já foram administradas 5.317.287.088 de vacinas contra a Covid-19, contra 5.267.695.288 do dia anterior.


No Brasil, o número de casos de COVID-19 subiu para 20.776.870 hoje, de 20.752.281 até ontem, segundo o consórcio de veículos de imprensa a partir de dados das secretarias estaduais de Saúde. O número de mortos chegou a 580.413, de 579.574 até ontem. O número de pacientes recuperados somam 19.735.447, de 19.692.898 do dia anterior. Balanço da vacinação contra Covid-19 aponta que o Brasil já aplicou a primeira dose da vacina em 131.311.289 pessoas, o que representa 61,56% da população brasileira, e 62.583.158 pessoas (29,34% da população do país) já estão completamente imunizadas com a segunda dose ou com a dose única.


O dólar opera em baixa frente a outras moedas. O setor privado dos EUA criou 374 mil postos de trabalho em agosto, contra criação de 326 mil em julho (revisado de +330k), segundo o Relatório Nacional de Emprego da ADP Research Institute. A expectativa do mercado estava em uma criação bem maior, de 615 mil vagas. O relatório da ADP é uma prévia do Payroll, que será divulgado nesta sexta-feira.


No Brasil a moeda sobe após divulgação do PIB. Ontem a moeda caiu 0,37%, a R$ 5,1697, acumulando baixa de 0,77% em agosto. O Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil recuou -0,1% no segundo trimestre de 2021 comparado ao primeiro trimestre de 2021, na série com ajuste sazonal, segundo o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). Frente ao mesmo trimestre de 2020, o PIB cresceu 12,4%. No primeiro semestre, o PIB registrou alta de 6,4%. No acumulado nos quatro trimestres, terminados em junho de 2021, o PIB cresceu 1,8%. A maior queda foi da Agropecuária (-2,8%), seguida pela Indústria (-0,2%). Por outro lado, os Serviços cresceram 0,7%. Entre as atividades industriais, o desempenho foi puxado pelas quedas de 2,2% nas Indústrias de Transformação e de 0,9% na atividade de eletricidade e gás, água, esgoto, atividades de gestão de resíduos. Essas quedas compensaram a alta que houve de 5,3% nas Indústrias Extrativas e 2,7% na Construção. Quando comparado a igual período do ano anterior, o PIB teve crescimento de 12,4% no segundo trimestre de 2021. O Valor Adicionado a preços básicos teve alta de 11,7% e os Impostos sobre Produtos Líquidos de Subsídios avançaram em 16,8%. A Agropecuária cresceu 1,3% em relação a igual período de 2020. Este resultado pode ser explicado, principalmente, pelo desempenho positivo de alguns produtos da lavoura com safra relevante no segundo trimestre, como a soja (9,8%) e o arroz (4,1%). Em contrapartida, houve recuos nas estimativas de produção anual das culturas de café (-21,0%), algodão (-16,6%) e milho (-11,3%).


As bolsas globais operam majoritariamente em alta.


Os futuros do petróleo recuam antes da reunião da OPEP (Organização dos Países Exportadores de Petróleo) e Rússia, que devem decidir sobre o aumento de 400 mil barris diários na produção a partir de dezembro.


A taxa de desemprego na zona do euro caiu a 7,6% em julho, de 7,8% junho, segundo a Eurostat. O resultado veio em linha com o esperado pelo mercado. No mesmo período do ano passado o desemprego estava em 8,4%. De acordo com a Eurostat, 12,33 milhões de pessoas na zona do euro estavam desempregadas em julho.


O setor industrial da China medido pelo índice dos gerentes de compras (PMI) industrial caiu para 50,1 em agosto, de 50,4 em julho, segundo o Escritório Nacional de Estatísticas (NBS). Já o PMI de serviços chinês caiu de 53,3 em julho para 47,5 em agosto. O PMI composto, que engloba os setores industrial e de serviços recuou de 52,4 para 48,9.


No Brasil, tempo predominantemente estável amanhã.

Previsão de Precipitação Brasil, 24 horas, em milímetros.



Na Argentina, tempo chuvoso principalmente na província de Buenos Aires nos próximos dias.

Previsão de Precipitação Argentina, 7 dias, em milímetros.

Nos EUA, tempo predominantemente estável no Meio-Oeste amanhã.

Previsão de Precipitação EUA, 24 horas, em polegadas.



Prêmios *referente ao dia anterior

Paranaguá

SOJA

COMPRADOR

VENDEDOR

Spot

165

175

Out

155

165

Fev 22

35

45

Mar 22

40

45

FARELO DE SOJA

COMPRADOR

VENDEDOR

Spot

120

130

ÓLEO DE SOJA

COMPRADOR

VENDEDOR

Spot

180

200

Golfo do México – EUA

SOJA

COMPRADOR

VENDEDOR

Spot

118

125

Out

82

90

Nov

84

91

MILHO

COMPRADOR

VENDEDOR

Spot

115

125

Out

80

87

Nov

77

82

Boi japonês wagyu, que tem a carne mais cara do mundo, já recebeu mordomias como beber cerveja e ganhar massagem

No Brasil, preço médio do quilo é R$ 600, mas pode ultrapassar R$ 1.000. Seu diferencial é a maciez, que é explicada pela genética do boi associada a uma alimentação rica em amido.

Por Paula Salati, G1


O país que sedia os Jogos Olímpicos também é o principal produtor da carne mais cara do mundo: o wagyu, que, no Japão, chega a custar, em média, US$ 1.000 o quilo. No Brasil, onde as carnes menos nobres já pesam no bolso do consumidor, o preço médio do quilo é R$ 600, mas também pode ultrapassar R$ 1.000.

Uma das variedades mais famosa do wagyu é o Kobe Beef, mas, para garantir a autenticidade dela, o gado precisa nascer e crescer na província de Hyogo.

Toda a fama da carne do wagyu se dá por causa do tal marmoreio. É a gordura intramuscular, que dá um visual de mármore para a peça e responsável por sua alta maciez.

O boi japonês também ficou famoso por conta das “mordomias” que recebia, como beber cerveja e receber massagem. Esse tratamento todo especial era muito praticado no Japão antigamente, mas não existe mais na maioria das fazendas e nem é mais visto nos grandes confinamentos do país.

Acreditava-se que a cerveja facilitaria a digestão do animal, ao provocar relaxamento, enquanto a massagem atuaria como drenagem linfática, ajudando na infiltração de gordura para a formação marmoreio.

Mas nada disso tem comprovação científica, diz Daniel Steinbruch, presidente da Associação Brasileira dos Criadores de Bovinos da Raça Wagyu (ABCWagyu). A maciez e o sabor únicos da carne são dados, na verdade, pela própria genética do wagyu.

“O que nós precisamos é dar as condições ideais para que o boi expresse a sua genética, o que significa, por exemplo, proporcionar uma dieta balanceada. O segredo está em uma alimentação rica em amido, pois é dele que o boi vai tirar energia para transformar em marmoreio”, diz Steinbruch.

Sai cerveja, entra cevada

Os grãos ricos em amido são milho, sorgo, arroz, trigo e a própria cevada. Alguns bois wagyu no Brasil, apesar de não beberem a “cervejinha” diretamente, se alimentam das sobras dessa indústria.

“O que alguns criadores dão é a borra que sobra do processo de fermentação da cevada porque é uma boa fonte de proteína, um excelente alimento para os bovinos”, diz Steinbruch.

Já a massagem pode servir para dar bem-estar aos animais, mas, nas grandes fazendas, não é algo comum, diante do tamanho do rebanho.

Origem e chegada ao Brasil


O nome do animal vem de “wa”, que significa “do Japão”, e “gyu”, quer dizer “gado”.

A sua origem vem de um boi que migrou da Europa para Ásia e foi introduzido no Japão para puxar arado nas lavouras de arroz. Em terras japonesas, os criadores fizeram diversos cruzamentos até chegar à raça atual.

Este gado chegou ao Brasil em 1992, através da dona de uma famosa marca de bebida. A Yakult trouxe a raça pura japonesa e até hoje está entre as maiores produtoras do país.

Em sua fazenda em Bragança Paulista (SP), com mais de 200 hectares, a empresa tem, aproximadamente, 350 cabeças.

No Brasil todo, o rebanho chegou a 6.873 mil cabeças em 2020, alta de 11,8% em relação a 2019. Há somente 47 criadores no país todo, que ainda não conseguem suprir toda a demanda interna e, por isso, a carne também é importada do Japão e do Uruguai.

O maior consumo ocorre em restaurantes, boutiques de carnes e hotéis.

Grau de marmoreio

Quanto maior o grau de marmoreio, ou seja, a proporção de gordura intramuscular versus a carne, mais caro é o corte de wagyu.

Na escala japonesa, o grau é medido de 0 a 12, mas, no Brasil, só se conseguiu produzir até o nível 10.

Conseguir um marmoreio 12 é uma tarefa bastante difícil, um desafio para todos os produtores de wagyu no Brasil”, assume o veterinário Rogério Satoru Uenish, gerente da Fazenda Yakult.

No Brasil, isso acontece porque o tempo de confinamento do animal é menor do que no Japão. É nesse momento que o gado recebe as rações com alto teor amido, que geram a energia para transformar em marmoreio.

No Japão, enquanto os animais vão para o confinamento assim que nascem, no Brasil, eles vão a partir dos 18 meses.

Isso porque o país asiático tem poucas terras para pastagens, diferentemente do Brasil, que tem grandes áreas, explica o veterinário Enrico Ortolani, consultor do Globo Rural.

Menos produtivos que nelore

Outros fatores encarecem a carne wagyu. Os bois dessa raça são, por exemplo, menos produtivos, menos rústicos e o seu rebanho é menor comparado à raça nelore, que é a mais produzida no Brasil.

“O porte de um wagyu puro é de 400 kg. Já a raça nelore, por exemplo, tem mais 550, 600 kg e cresce mais rápido”, explica Ortolani.

Já a menor rusticidade tem a ver com ser menos resistente a doença e condições climáticas.

“No Brasil, se faz inseminação de wagyu em vacas nelore, o que dá o bezerro meio sangue, que ganha um pouco de rusticidade. Ele perde um pouco no acúmulo da gordura, mas, ainda assim, continua sendo diferenciado”, acrescenta o consultor.

Apesar dos cruzamentos feitos no Brasil, Ortolani diz que há criações nacionais de raça pura do boi wagyu.

Cortes menos caros

O preço do quilo do wagyu vai depender muito do grau do marmoreio, tipo de corte e local onde a compra é feita.

Em algumas boutiques de carne da cidade de São Paulo, por exemplo, carnes extraídas do acém, com marmoreio entre 4 e 5, podem custar cerca de R$ 180 o quilo.

Já para cortes nobres, como a picanha, o ancho, com marmoreio de 9 a 10, o consumidor pode ter que desembolsar valores mais salgados: R$ 900, R$ 1.000 ou até mais.

TRADINCOM CONSULTORIA EM NEGÓCIOS AGROPECUÁRIOS LTDA.®

+55 (41) 3434-5757

Al Dr Carlos de Carvalho, Wall Street Center, 771, Curitiba PR – Brasil, CEP 80.430-180.

www.tradincom.com

Esse é apenas um resumo de várias informações que recebemos, oferecemos oportunidades estratégicas particulares a cada necessidade de empresas ou operadores de mercado. Fiquem à vontade para requisitar opiniões estratégicas em posições ou mesmo sobre o processo de abertura de contas em Chicago.

Negociar futuros e opções envolve riscos substanciais e não é adequado para todos os investidores. O desempenho passado não é indicativo de resultados futuros. A Tradincom não distribui relatórios de pesquisa, empregam analistas, ou mantêm um departamento de pesquisa, tal como definido no Regulamento da Comissão de Negociação de Futuros de Commodities (CFTC) 1.71, e portanto, este material não deve ser interpretado como uma solicitação para entrar em uma transação de derivativos.

Esse material é somente como base de informações e deve ser considerado como um comentário de mercado, meramente uma observação do cenário econômico, politico e de notícias atuais e históricas. Não há nenhuma intenção de solicitação de compra ou venda de ativos de commodities, mas somente uma visão geral de possíveis estratégias de mercado. Não sendo responsável por qualquer resultado de decisões de trading, mas sendo apenas mais uma fonte de informações para aqueles que acreditam na fonte de informações.

Compartilhe nas redes sociais

Os comentários estão fechados.