Bom dia, a Bolsa de Chicago não opera no pregão regular de hoje devido ao feriado de Labor Day, nos EUA. Os cereais e oleaginosas voltam a ser negociados normalmente no pregão noturno de hoje. No restante dos mercados, dia de liquidez reduzida.

Os fundos foram grandes vendedores de commodities na semana encerrada no dia 29 de agosto. Os fundos venderam: 47.872 contratos de milho, passando a 64.945 posições vendidas; 10.778 contratos de trigo, para 77.529 posições vendidas; 4.973 contratos de soja, para 28.367 posições vendidas; 1.596 contratos de farelo de soja, para 36.152 posições vendidas. Os fundos compraram 22.267 contratos de óleo, aumentando as posições compradas para 66.871 contratos.

O dólar opera em baixa frente a outras moedas. Na sexta-feira o relatório mais importante de empregos dos EUA, o Payroll, mostrou criação de 156 mil postos de trabalho em agosto, abaixo dos 180 mil esperados pelo mercado. A taxa de desemprego teve leve alta, passando de 4,3% para 4,4%. Com isso, a expectativa de uma elevação dos juros esfriaram.

No Brasil, a moeda abriu estável e agora vale R$3,1360, -0,26% (11h45). Nesta semana, destaques para o feriado de Independência na quinta-feira, reunião do Copom na terça e quarta-feira, com expectativa de corte da Selic em 1 ponto percentual, para 8,25% ao ano, e divulgação da inflação oficial (IPCA) na quarta-feira. No cenário político, atenções voltadas para a votação da MP 777, que cria a Taxa de Longo Prazo (TLP) do BNDES, no Senado, que precisa ser votada até a quarta-feira para não caducar. Na sexta-feira a moeda fechou praticamente estável, a R$3,1471, recuo de 0,23% na semana.

Mercado espera menor inflação e maior crescimento do PIB em 2017, segundo relatório Focus de hoje. Expectativa para a inflação deste ano caiu de 3,45% para 3,38%, enquanto a expectativa para o crescimento do PIB subiu de 0,39% para 0,5%. A meta da taxa Selic deve terminar o ano em 7,25% e o dólar em R$3,20. Para 2018, a estimativa para a inflação caiu de 4,2% para 4,18% e a estimativa para o crescimento do PIB se manteve em 2%. A meta da taxa Selic deve terminar 2018 em 7,5% e o dólar em R$3,35.

As bolsas mundiais operam em baixa após o teste nuclear com uma bomba de hidrogênio da Coreia do Norte. Na sexta-feira o Ibovespa subiu 1,54%, aos 71.923 pontos, após bater os 72 mil pontos pela 1ª vez desde 2010.

Os futuros do petróleo operam sem sentido único, com o Brent em alta, WTI em baixa. Algumas refinarias atingidas pelo furacão Harvey voltam a operar na costa do Texas.


CLIMA

 

No Brasil, um sistema de alta pressão sobre o Oceano Atlântico deixa o tempo seco em boa parte do país nesta semana. As temperaturas ficam elevadas e a umidade relativa do ar fica baixa. Uma frente fria estacionária provoca chuvas no RS.

Previsão de Precipitação Brasil, 7 dias, em milímetros.

Previsão de Desvio de Precipitação Brasil, 7 dias, em milímetros.

Na Argentina, chove na região Nordeste do país nesta semana.

Previsão de Precipitação Argentina, 7 dias, em milímetros.

Previsão de Desvio de Precipitação Argentina, 7 dias, em milímetros.

Precipitação Observada Argentina, 24 horas, em milímetros.

Nos EUA, tempo predominantemente seco no Meio-Oeste nesta semana. Chuvas de baixo volume na porção leste da região.

Previsão de precipitação EUA, 5 dias, em polegadas.

Probabilidade de temperaturas EUA, 6 a 10 dias.

Precipitação observada EUA, 24 horas, em milímetros.

Precipitação observada EUA, 7 dias, em milímetros.

 


PRÊMIOS

 


MATÉRIA DO DIA

 

Canal do Panamá: Uma Maravilha da Engenharia

Por Ademilson Ramos, Engenharia É

O Panamá tem se tornado, cada vez mais, um destino turístico e a Cidade do Panamá, sua capital, é uma deliciosa surpresa para quem gosta de fazer compras e de uma boa mistura entre lugares modernos e históricos, com destaque para o bairro de Casco Viejo considerado Patrimônio Mundial da Humanidade pela UNESCO. Além de ser uma ótima escolha para os que gostam de fazer compras e de  possuir uma interessante mistura arquitetônica, a Cidade do Panamá, também conhecida como a “Dubai” da América Latina, está recheada de cafés, restaurantes para todos os gostos e ótimos hotéis. Todo esse luxo faz com que o local também seja um polo do turismo esportivo. Lá estão localizadas os melhores campos de golfe da América Central e, recentemente, o local sediou um torneio de poker que recebeu vários brasileiros profissionais na modalidade. Todavia, apesar da Cidade do Panamá reunir uma diversidade de locais que valem a pena a visita, o mais famoso deles, sem dúvidas, é a maravilha da engenharia conhecida como o Canal do Panamá. Em termos simples, o Canal do Panamá é um canal artificial de 77,1 km. Ele foi construído para ligar o Oceano Atlântico ao Oceano Pacífico, possibilitando, assim, a travessia de navios e permitindo que as embarcações poupem bastante tempo, pois, outrora, se alguém desejasse viajar da costa leste à costa oeste do continente, seria preciso percorrer mais 20 mil quilômetros. Era uma jornada dispendiosa, demorada e arriscada através do Estreito de Magalhães, localizado no extremo da América do Sul. Com o Canal do Panamá, o tempo de cruzamento leva de oito a dez horas. Em 1881, após receberem uma permissão do governo colombiano para abrir e operar um canal navegável no istmo do Panamá, os franceses iniciaram a construção do Canal. A frente dessa empreitada estava o empresário e diplomata Ferdinand de Lesseps, que já havia construído o Canal de Suez. Contudo, essa experiência no Egito acabou não sendo de grande ajuda e os franceses enfrentaram grandes dificuldades de engenharia, atém de problemas com questões relacionadas ao clima tropical e má administração da companhia, levando-os, então, a abandonar o projeto.Após o fracasso dos franceses, os americanos assumiram a obra no ano de 1904 e concluíram-na 10 anos depois, em 15 de agosto de 1914. Com o final da construção, o território onde o canal está localizado permaneceu sob o controle dos Estados Unidos até 1977, quando foi assinado o Tratado Torrijos-Carter e parte da direção foi transferida ao Panamá. Foi apenas em 1999 que o governo panamenho adquiriu por completo a propriedade do canal. O Canal do Panamá é formado por três grupos de eclusas: Miraflores, Pedro Miguel e Gatún. As eclusas possibilitam os navios a transporem uma diferença de 26 metros de altura e o canal funciona em ambas as direções. Navegando sentido Oceano Pacífico – Oceano Atlântico, um navio deve subir as duas eclusas de Miraflores, cada uma com 8 metros, para em seguida subir mais 10 metros nas eclusas de Pedro Miguel. Em seguida, a embarcação percorre o Lago Gatún, que está a 26 metros acima do mar, e chega às eclusas de Gatún, onde descerá novamente ao nível do mar. O cruzamento das eclusas é feito com a assistência de mulas, locomotivas elétricas que se movimentam por trilhos paralelos a elas e se prendem aos navios através de cabos, cuja responsabilidade é manter a estabilidade do navio e impedir colisões com as paredes laterais das câmaras. Atualmente, mais de 15 mil embarcações utilizam o canal a cada ano e, após a inauguração de sua expansão em 2016, ele agora permite a passagem de navios com capacidade para até 14 mil contêineres, estimando-se que, daqui a 10 anos, estejam atravessando suas águas cerca de 600 milhões de toneladas de mercadorias por ano, o dobro da quantidade hodierna.


Compartilhe nas redes sociais

Seja o primeiro à comentar.

Enviar comentário