Bom dia, a Bolsa de Chicago opera em baixa nos principais ativos, com os fundos dando sequência à liquidação de posições. Bons volumes de chuva previstos para hoje entre Iowa e Ilinois, os maiores produtores de soja e milho dos EUA. Já nas Dakotas, Minnesota, Nebraska e Montana, sem precipitações significativas nos próximos 7 dias, agravando a situação das lavouras da região.

A soja não encontra força para romper máxima e volta a testar a região de suporte. Ontem o mercado fez um falso rompimento de resistência e fechou com baixa de mais de 15 pontos nos principais vencimentos. Na véspera, relatório de andamento de safra nos EUA mostrou piora maior do que a esperada nas condições das lavouras.

Fundos vendedores ontem estimados em: 15.000 contratos de milho; 14.000 contratos de soja; 9.500 contratos de trigo; 7.000 contratos de farelo; 4.000 de óleo.

O dólar opera com leve alta frente a outras moedas. O Federal Reserve divulga hoje às 15 horas (horário de Brasília) a decisão de política monetária do FOMC, com expectativa de manutenção da taxa básica de juros nos níveis atuais. Mais importante que o resultado, os investidores aguardam as mudanças na declaração, já que nesta reunião não há coletiva de imprensa com a presidente do Fed, Janet Yellen. O Senado dos EUA rejeitou na noite de ontem o projeto para substituição do Obamacare por 57 votos a 43, com 9 senadores do próprio partido republicando votando contra a proposta.

No Brasil, a moeda abriu com leve baixa e agora vale R$3,1700, +0,07% (10h10). O Banco Central segue com a rolagem dos contratos de swap cambial tradicional com vencimento em agosto, com a oferta de até 8.300 contratos no dia de hoje. Neste ritmo, o BC deve rolar integralmente os contratos com vencimento agosto na sexta-feira. O Comitê de Política Monetária (Copom) divulga hoje a nova Selic, com expectativa de corte de 1 ponto percentual, para 9,25% ao ano. Liminar que suspendeu o aumento do PIS/Cofins sobre os combustíveis aumentou as preocupações sobre a situação fiscal do país. O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, disse que governo recorrerá da decisão, e em caso de derrota, outra forma de tributo deve ocorrer. Ontem a moeda subiu 0,63%, a R$3,1674.

As bolsas mundiais operam majoritariamente em alta hoje.

Os futuros do petróleo seguem em alta após queda maior do que o esperada nos estoques de petróleo brutos dos EUA. O Instituto Americano de Petróleo informou ontem que os estoques dos EUA tiveram queda de 10,23 milhões de barris na semana encerrada no dia 21, enquanto a expectativa do mercado estava em um recuo de 3 milhões de barris. Os estoques de gasolina tiveram alta de 1,9 milhão de barris e os de destilados recuaram 111 mil barris. Os estoques de petróleo no centro de distribuição de Cushing (Oklahoma) recuaram 2,6 milhões de barris. Hoje saem dados oficiais do Departamento de Energia dos EUA (DoE).


CLIMA

 

No Brasil, tempo segue seco, com umidade relativa do ar na casa dos 20% na região central.

Previsão de Precipitação Brasil, 24 horas, em milímetros.

Na Argentina, chuvas entre as províncias de Buenos Aires, Santa Fé e Entre Rios.

Previsão de Precipitação Argentina, 24 horas, em milímetros.

Precipitação Observada Argentina, 24 horas, em milímetros.

Nos EUA, bons volumes de chuva entre o Iowa e Ilinois no dia de hoje.

Previsão de precipitação EUA, 24 horas, em polegadas.

Precipitação Observada EUA, 24 horas, em milímetros.

Precipitação Observada EUA, 7 dias, em milímetros.


PRÊMIOS


MATÉRIA DO DIA

 

É assim que as vacas estão ajudando pesquisadores a lutar contra o HIV
Por Matheus Gonçalves, Climatologia Geográfica

Os pesquisadores têm buscado há muito tempo maneiras de ajudar os indivíduos infectados pelo HIV a produzir anticorpos mais amplamente neutralizantes (Bnabs) – anticorpos que são conhecidos por combater múltiplas formas de vírus.

Os Bnabs são um tópico importante na pesquisa sobre o HIV, porque o vírus altera-se ligeiramente com cada divisão celular – o que significa que um único anticorpo específico não consegue acompanhar. Um novo estudo descobriu que as vacas podem fornecer respostas para os cientistas que tentaram entender melhor como os Bnabs podem ser aproveitados.

Estes anticorpos são notáveis ​​porque são um pouco indisciplinados no que diz respeito às proteínas. Considerando estas características, os cientistas perceberam que os Bnabs tinham semelhança com os tipos de anticorpos encontrados nas vacas.

As vacas não contraem o HIV, mas depois que os pesquisadores as injetaram com uma proteína muito semelhante ao envelope do vírus, seus corpos produziram anticorpos para bloqueá-lo. As proteínas foram então extraídas e testadas contra múltiplas cepas de HIV, pois tentaram infectar células em uma placa de Petri.

Devin Sok, diretor de descoberta e desenvolvimento de anticorpos na International AIDS Vaccine Initiative, disse à STAT News que era uma epifania onde havia “’um alinhamento das estrelas’, onde tínhamos veterinários, cientistas de anticorpos de vacas e cientistas do HIV falando e inventaram isso”.

Embora o estudo seja o primeiro a incentivar de forma confiável o desenvolvimento de Bnabs, ele não elucidou como promover o mesmo crescimento em seres humanos.

No entanto, John Mascola, diretor de pesquisa de vacinas no Instituto Nacional de Alergia e Doenças Infecciosas dos EUA (NIAID), afirmou que embora “o estudo não nos diga como criar uma vacina contra o HIV nas pessoas, ele nos diz como o vírus evade a resposta imune humana”.

A descoberta também pode abrir a possibilidade de usar o sangue de vaca em uma capacidade clínica, a fim de fornecer proteção de curto prazo contra o HIV ou ajudar a tratar aqueles que já estão infectados. A mudança pode ajudar a aliviar o sofrimento dos pacientes entre os 1,1 milhões de pessoas estimadas apenas nos EUA que vivem atualmente com o HIV.

Traduzido e adaptado de Science Alert.


Compartilhe nas redes sociais

Seja o primeiro à comentar.

Enviar comentário