Bom dia, a Bolsa de Chicago opera em alta nos principais ativos.

O USDA reportou ontem a venda de 167.370 toneladas de soja 2017/18 para o México.

A produção semanal de etanol de milho nos EUA foi de 1.047 mil barris diários na semana encerrada no dia 8, contra 1.060 mil da semana anterior e 1.004 mil do mesmo período do ano passado. Os estoques subiram de 21,116 milhões para 21,132 milhões de barris, contra 20,207 milhões do mesmo período de 2016.

A Bolsa de Rosário reduziu em 250 mil hectares o potencial de produção de trigo da Argentina nesta temporada, sendo 100 mil hectares perdidos com o excesso de umidade e outros 150 mil que deixarão de ser semeados. Com isso, a área de cultivo nesta temporada deve ficar em 5,4 milhões de hectares, descontados os 150 mil hectares que não serão semeados. No milho, a Bolsa de Rosário estima um aumento de 6% de área na safra 2017/18 ante a safra anterior, que deve ficar em 6,2 milhões de hectares.

O dólar opera com leve baixa frente a outras moedas. Dado de inflação dos EUA trouxe volatilidade ao mercado no dia de hoje. O índice de preços ao consumidor (CPI) dos EUA, subiu 0,4% em agosto ante julho, ante expectativa de alta de 0,3%. Na comparação anual, o CPI subiu 1,9%, ante 1,8% esperados. O CPI núcleo, que exclui itens voláteis, subiu 0,2% em agosto ante julho e 1,7% na comparação anual.

No Brasil, a moeda abriu estável e agora vale R$3,1390, +0,04% (10h50). No dia de hoje, expectativa para a apresentação da segunda denúncia do Procurador-Geral da República, Rodrigo Janot, contra o presidente Michel Temer, após o STF (Supremo Tribunal Federal) manter Janot à frente das investigações sobre Temer. O presidente Michel Temer sancionou ontem a mudança na meta fiscal de 2017 e 2018, que poderão fechar com um rombo de até R$ 159 bilhões.

O IBC-Br do Banco Central, considerado uma ‘prévia’ do PIB, mostrou crescimento de 0,41% em julho ante junho, após crescimento de 0,8% em junho ante maio. No ano o indicador sobe 0,31%, e em 12 meses, retração de 1,37%.

O fluxo cambial brasileiro registrou saídas de US$1,251 bilhão em setembro até dia 8, após saída de US$698 milhões em agosto. No ano, a entrada de dólares supera a saída em US$2,882 bilhões, contra saída de US$10,379 bilhões no mesmo período de 2016.

As bolsas mundiais operam mistas hoje. As bolsas norte-americanas voltaram a renovar máximas históricas no dia de ontem. O Dow Jones avançou 0,18%, a 22.158 pontos; Nasdaq alta de 0,09%, a 6.460 pontos; S&P 500 subiu 0,1%, a 2.498 pontos. No Brasil, o Ibovespa também bateu recorde pelo 3º dia seguido, com alta de 0,33%, aos 74.787 pontos.

Os futuros do petróleo seguem em alta. Ontem o Departamento de Energia dos EUA informou que os estoques de petróleo bruto subiram 5,888 milhões de barris na última semana, para 468,241 milhões, alta maior do que o esperado pelo mercado.


CLIMA

 

No Brasil, o tempo segue chuvoso no Rio Grande do Sul. No restante do país o tempo segue seco e as temperaturas elevadas.

Previsão de Precipitação Brasil, 24 horas, em milímetros.

Na Argentina, chove no nordeste do país hoje.

Previsão de Precipitação Argentina, 24 horas, em milímetros.

Precipitação Observada Argentina, 24 horas, em milímetros.

Nos EUA, o tempo segue predominantemente seco no Meio-Oeste. No dia de hoje, chuvas isoladas entre as Dakotas, Minnesota, Iowa e Nebraska.

Previsão de precipitação EUA, 24 horas, em polegadas.

Precipitação observada EUA, 24 horas, em milímetros.

Precipitação observada EUA, 7 dias, em milímetros.

Mapa de monitoramento da seca nos EUA mostra degradação nas condições de umidade no Meio-Oeste na última semana.

A produção de soja dos EUA em área de seca passou de 10% para 14% nesta semana.

A produção de milho dos EUA em área de seca passou de 10% para 12% nesta semana.


PRÊMIOS

 


MATÉRIA DO DIA

 

Empresa francesa vai investir mais de 100 milhões de euros em eletricidade com biomassa no Brasil
Por Any Karolyne Galdino, Engenharia É

A empresa francesa Albioma, grande produtora de eletricidade a partir da biomassa, afirmou que serão investidos mais de 100 milhões de euros no Brasil, e que isso é apenas o começo de uma expansão ambiciosa em um momento em que o setor açucareiro do país, em dificuldades, busca investimento externo.

“Existe um enorme potencial no Brasil”, disse o CEO Frédéric Moyne, em entrevista, na sede da empresa, perto de Paris. “Nosso objetivo é continuar crescendo fortemente no Brasil para ganhar massa crítica, e não há motivos para acreditar que não conseguiremos isso.”

A Albioma adquiriu duas usinas brasileiras que geram energia a partir da biomassa de refinarias de açúcar em 2014 e 2015 e fechou um terceiro negócio no País em maio do ano passado, comprometendo ao todo 105 milhões de euros. Ao expandir-se na maior região produtora de açúcar do mundo, a empresa está capitalizando a queda dos preços que forçou algumas refinarias a buscar operadoras externas para suas geradoras de energia.

“Estamos conversando com todos”, disse Moyne, que preferiu não fornecer mais detalhes. “A questão é: quem sobreviverá no Brasil? Em que condições?

A maioria das usinas da Albioma utiliza o bagaço da cana-de-açúcar como matéria-prima. Embora a maior parte delas esteja localizada em ilhas do Caribe e do Oceano Índico, a empresa separou 295 milhões de euros para novos projetos no Brasil de um plano de investimento de 350 milhões de euros para 2023. O sucesso da empresa no País dependerá de sua capacidade de melhorar o rendimento e vender mais energia excedente — eletricidade não utilizada pelas refinarias — à rede elétrica.

Se encontrar projetos lucrativos, a Albioma poderá investir mais que o planejado no Brasil ou nos territórios ultramarinos da França, com ou sem parceiros, segundo Moyne. A empresa está atualizando usinas e construindo novas estações de biomassa e energia solar em Martinica e Reunião. Além disso, está buscando mais palha, pellets de madeira e resíduos ecológicos para substituir o carvão que algumas de suas usinas ainda utilizam.

A estratégia pode aumentar os custos, mas “é o que faremos se fizer sentido para a comunidade”, disse Moyne. “Trata-se de um desafio importante, porque todo o ecossistema precisa perceber que é hora de mudar a matriz energética nos territórios ultramarinos.”

Fonte: Bloomberg.


Compartilhe nas redes sociais

Seja o primeiro à comentar.

Enviar comentário