Bom dia, a Bolsa de Chicago inicia a semana mista, próximo à estabilidade, após alta volatilidade na última semana. O mercado segue de olho no desenvolvimento da safra norte-americana, com a divulgação das condições das lavouras no dia de hoje.

Os fundos foram foram grandes compradores de commodities na semana encerrada no dia 11, passando de vendidos a comprados na CBOT. Os fundos compraram: 89.265 contratos de soja, ficando com 19.048 contratos comprados; 147.679 contratos de milho, passando para 100.964 contratos comprados; 26.681 contratos de trigo, ficando com 44.685 contratos comprados; 23.278 contratos comprados, aumentando as posições compradas para 42.996 contratos; 35.758 contratos de farelo, para 7.210 contratos vendidos.

O NOPA divulga hoje o relatório de esmagamento de soja dos EUA, com expectativa de 143,093 milhões de bushels processados em junho.

A colheita do milho no Mato Grosso avançou 20 pontos percentuais na última semana, para 62,02% colhido, segundo o IMEA. No médio-norte do estado a colheita passa dos 80%, enquanto no sudeste ainda está nos 35%.

O dólar opera com leve alta frente a outras moedas, nos menores níveis desde setembro, após dados fracos da economia dos EUA na última semana. Hoje inicia a segunda rodada das negociações do Brexit, entre o Reino Unido e a União Europeia, em Bruxelas.

A aprovação de Trump caiu a 40% entre os norte-americanos, segundo pesquisa da Bloomberg. Segundo pesquisa do The Washington Post e ABC, aprovação está em apenas 36%.

No Brasil, a moeda abriu com leve baixa e agora vale R$3,1830, -0,06% (10h15). O Banco Central segue com a rolagem dos contratos de swap cambial tradicional com vencimento em agosto, com a oferta de até 8.300 contratos no dia de hoje. Cenário político mais tranquilo nesta semana com o início do recesso no Congresso. Na sexta-feira, a moeda caiu 0,73%, a R$3,1849, acumulando queda de 2,29% na semana.

O Banco Central divulgou na manhã de hoje o novo boletim de mercado Focus, com redução nas expectativas para a inflação 2017 e 2018. Para 2017, a estimativa de inflação caiu de 3,38% para 3,29%, enquanto a estimativa para o crescimento da economia permaneceu em 0,34%. O mercado reduziu a estimativa para a meta da taxa Selic de 8,25% para 8%, e o dólar de R$3,35 para R$3,30. Para 2018, a expectativa para a inflação caiu de 4,24% para 4,2% e a estimativa para o crescimento do PIB permaneceu em 2%. O dólar deve terminar 2018 em R$3,45 e a meta da taxa Selic em 8%.

As bolsas asiáticas fecharam majoritariamente em alta após dados positivos na China. O restante das bolsas mundiais operam majoritariamente em alta. No Brasil, o Ibovespa futuros abriu com leve alta e agora opera nos 65.905, -0,20% (10h15).

A economia da China cresceu 6,9% no trimestre encerrado em junho, na comparação anual, acima das expectativas do mercado. Na comparação com o primeiro trimestre, o PIB avançou 1,7% entre abril e junho. A produção industrial cresceu 7,6% em junho na comparação anual, também acima do esperado.

A inflação ao consumidor da zona do euro medido pelo índice de preços ao consumidor (CPI) subiu 1,3% na comparação anual de junho, segundo a Eurostat, ficando longe da meta do BCE, que é de taxa pouco abaixo de 2%. O núcleo do CPI do bloco, que exclui os preços de energia e de alimentos, registrou alta de 1,1% na comparação anual de junho e subiu 0,2% ante o mês anterior.


CLIMA

 

No Brasil, tempo predominantemente seco nesta semana. As temperaturas despencam no Sul a partir de hoje com a chegada de uma massa de ar polar, com ocorrência de geadas possibilidade de queda de neve.

Previsão de Precipitação Brasil, 7 dias, em milímetros.

Previsão de Desvio de Precipitação Brasil, 7 dias, em milímetros.

Na Argentina, tempo predominantemente seco nesta semana.

Previsão de Precipitação Argentina, 7 dias, em milímetros.

Previsão de Desvio de Precipitação Argentina, 7 dias, em milímetros.

Precipitação Observada Argentina, 24 horas, em milímetros.

Nos EUA, chove em boa parte do Meio-oeste nesta semana, trazendo alívio momentâneo às culturas, podendo apresentar melhora na próxima semana.

Previsão de precipitação EUA, 5 dias, em polegadas.

As temperaturas seguem acima da média para o período nesta semana.

Precipitação Observada EUA, 24 horas, em milímetros.

Precipitação Observada EUA, 7 dias, em milímetros.


PRÊMIOS

 


MATÉRIA DO DIA

 

Belo Horizonte terá táxis totalmente elétricos

Por Any Karolyne Galdino, Engenharia É

Foto: Paulo Fernando / BHTrans
A empresa de transportes BHTrans, em Belo Horizonte, apresentou nessa quinta-feira um novo veículo que será usado como táxi em BH. A novidade é que os veículos serão 100% elétrico e não emite carbono na atmosfera. De acordo com a reguladora, a iniciativa está alinhada com o plano de mobilidade da capital mineira vai ajudara a cidade ser mais sustentável. O carro é o modelo e6, da marca chinesa BYD, o veículo já foi aprovado em testes realizados por técnicos da BHTrans, que avaliaram quesitos como conforto, segurança, velocidade entre outros. O carro tem uma autonomia de 400 quilômetros por carga da bateria, que pode ser feita em casa ou em um eletroposto. O tempo médio para uma carga total é de duas horas em um eletroposto e de seis horas em casa. O tempo pode variar, dependendo da voltagem utilizada. A bateria do veículo tem vida útil de 40 anos e 60 kWh de capacidade. O valor do veículo é de aproximadamente R$ 270 mil, mas a empresa promete oferecer desconto e linha de financiamento exclusiva para taxistas. Além disso, segundo a empresa o veículo oferecerá uma economia financeira de até 85% no gasto operacional, quando se leva em consideração os custos com combustível dos carros convencionais.
Com informações de: BHAZ


Compartilhe nas redes sociais

Seja o primeiro à comentar.

Enviar comentário