Bom dia, a Bolsa de Chicago opera próximo à estabilidade nesta sexta-feira.

O último dia do Farm Journal Midwest Crop Tour trouxe números oficiais de Iowa e Minnesota. A produtividade média no Iowa ficou em 179,79 bushels por acre, com a contagem de vagens em 1.092,92 em 3×3 pés quadrados. Os números ficaram abaixo da média dos últimos 3 anos, que é de 182,39 bushels por acre no milho e de 1.205,7 vagens na soja. Em Minnesota, a média de produtividade do milho ficou em 191,54 bu.ac-1, contra 181,32 bu.ac-1 da média, e na soja, 1.019,96 vagens, contra 1.086,12 da média. Agora o mercado aguarda a estimativa nacional média.

Conselho Internacional de Grãos eleva a estimativa de produção mundial de grãos para 2017/18, porém abaixo da safra anterior. A produção total de grãos está estimada em 2,049 bilhões de toneladas, contra 2,038 bilhões da estimativa anterior e 2,128 bilhões de 2016/17. Na soja, o IGC estima produção de 347 milhões de toneladas, contra 345 da estimativa anterior e 351 milhões de 2016/17. Já a safra de milho teve a estimativa reduzida de 1,02 bilhão para 1,017 bilhão de toneladas, contra 1,073 bilhão de 2016/17.

O plantio de trigo na Argentina avançou para 99,8%, dos 5,35 milhões de hectares projetados para esta safra, segundo a Bolsa de Cereales. O excesso hídrico atinge 50% das lavouras e as perdas se aproximam dos 100 mil hectares.

A colheita de milho na Argentina avançou 4 pontos percentuais na última semana, para 89,4% colhido. A estimativa de produção se mantém em 39 milhões de toneladas.

Fundos compradores ontem estimados em: 7.000 contratos de soja; 5.000 contratos de farelo de soja; 4.000 contratos de trigo; 1.000 contratos de milho. Fundos vendedores estimados em 3.000 contratos de óleo de soja.

O dólar opera com leve baixa frente a outras moedas. Atenções voltadas para o simpósio anual do Federal Reserve em Jackson Hole, nos EUA, onde a presidente o Fed, Janet Yellen, e o presidente do BCE (Banco Central Europeu), Mario Draghi, discursam no dia de hoje, às 11 horas e 16 horas, respectivamente.

No Brasil, a moeda abriu com leve baixa e agora vale R$3,1470, +0,05% (10h30). Após semana agitada no cenário interno, a sexta-feira deve ser de tranquilidade, influenciada mais pelos mercados externos. Ontem a moeda se descolou do restante do mercado, enquanto a bolsa subiu quase 1%, o dólar fechou praticamente estável, subindo 0,16%, a R$3,1473. A aprovação simbólica do texto-base da MP 777 que cria a Taxa de Longo Prazo (TLP) do BNDES fez com que a moeda virasse do positivo para o negativo no início da tarde, porém no final da tarde a moeda virou para o positivo novamente.

As bolsas mundiais em alta nesta sexta-feira.

Os futuros do petróleo operam em alta com a chegada do Furacão Harvey no Golfo do México, onde saem 17% da produção de petróleo bruto dos EUA.


CLIMA

 

No Brasil, um sistema de baixa pressão sobre a Argentina e uma frente fria passando sobre o Uruguai provoca chuvas no RS nos próximos dias. No restante do país, tempo estável com temperaturas elevadas.

Previsão de Precipitação Brasil, 7 dias, em milímetros.

Previsão de Desvio de Precipitação Brasil, 7 dias, em milímetros.

Na Argentina, chuvas volumosas no leste do país nos próximos dias.

Previsão de Precipitação Argentina, 7 dias, em milímetros.

Previsão de Desvio de Precipitação Argentina, 7 dias, em milímetros.

Precipitação Observada Argentina, 24 horas, em milímetros.

Nos EUA, Harvey está ganhando força rapidamente e está previsto para se tornar um furacão da categoria 3 com ventos de pelo menos 180km/h entre hoje e amanhã, qunando deve atingir a costa do Texas. Algumas regiões podem receber mais de 600mm de chuva. Já no Meio-Oeste, o tempo fica encoberto durante o fim de semana, porém os maiores volumes de chuva ficam entre o Minnesota e Wisconsin, leste da Dakota do Sul, noroeste de Iowa e nordeste do Nebraska

Previsão de precipitação EUA, 72 horas, em polegadas.

As temperaturas ficam de normal à abaixo da média em toda a porção leste dos EUA nos próximos 6-10 dias.

Ocorrência de chuvas isoladas no Meio-Oeste dia de ontem, com volumes não significativos.

Precipitação observada EUA, 24 horas, em milímetros.

Precipitação observada EUA, 7 dias, em milímetros.


PRÊMIOS

 


MATÉRIA DO DIA

 

Bill Gates e Cargill investem na produção de carne sem abate de animais

Empresas e biolionários apostam na criação de “carne cultivada”. Isso significa que já é possível produzir carne sem abater animais

Hugo Harada/Gazeta do PovoStartup Memphis Meats arrecadou US$ 17 milhões de investidores como Cargill, Bill Gates e o bilionário Richard Branson.

De The Washington Post
Uma das maiores companhias do agronegócio do mundo, a Cargil se uniu ao segundo homem mais rico do mundo, Bill Gates, e a outras grandes empresas para investir em uma tecnologia inovadora: a produção de carne a partir da reprodução de células de animais. A ideia tem origem no aumento da demanda mundial por proteína, causando menor dependência da terra e da água.
A startup Memphis Meats, que produz carne bovina e de aves a partir de células animais e sem abates, arrecadou US$ 17 milhões de investidores – incluindo a Cargill, Bill Gates e o bilionário Richard Branson, segundo anúncio divulgado nesta terça-feira (22). A campanha de arrecadação de fundos foi liderada pela DJF, empresa especializada em capitais de risco, e que já apoiou várias startups do varejo.O movimento da gigante do agronegócio é uma resposta aos seus consumidores, especialmente da nova geração, que estão rapidamente deixando suas marcas no mercado de alimentos dos Estados Unidos, através da crescente demanda por produtos orgânicos e pela demanda de alimentos considerados sustentáveis ou ainda pela atenção aos direitos dos animais. Este é o motivo que tem levado grandes produtores de proteína animal a começarem a considerar alternativas à carne.
“O mundo adora carne, e é parte essencial de muitas culturas e tradições”, afirma Uma Valeti, co-fundadora e CEO da Memphis Meats. “A maneira convencional de produzir carne cria diversos desafios para o meio ambiente, para o bem-estar animal e para a saúde humana. São problemas que todos buscam resolver”, completa.
Até o momento, mais de US$ 22 milhões já foram arrecadados pelas campanhas da companhia, o que sinaliza comprometimento ao “movimento carne limpa”, destaca nota da empresa.Carne cultivada
A Cargill fez o investimento na Memphis Meats ainda na primeira série de fundos arrecadados, segundo Sonya Roberts, presidente da divisão de investimentos e desenvolvimento da Cargil Protein. O valor do montante investido não foi divulgado.
“Nossa posição com a Memphis Meats permite à Cargill entrar no mercado de proteína cultivada e permite a nós trabalharmos juntos para inovar e vender ainda mais”, destaca Sonya Roberts. “Acreditamos que os consumidores vão continuar a desejar carne, e nós buscamos levar isso para a mesa de nossos clientes de forma sustentável e com o melhor custo-benefício possível. A carne cultivada e a carne produzida da forma convencional vão ter um papel de satisfação dessa demanda”, resume.
O investimento é apenas a mais recente realizado por companhias tradicionais de carne. A Tyson Foods Inc, maior produtora dos Estados Unidos, criou um fundo de investimentos focados em empresas que buscam “alimentar o mundo de forma sustentável” conforme o crescimento da população. Em dezembro passado, a empresa anunciou a criação de um bife produzido à base de proteína vegetal, que também contou com Bill Gates como um de seus primeiros financiadores.


Compartilhe nas redes sociais

Seja o primeiro à comentar.

Enviar comentário