Bom dia, a Bolsa de Chicago opera próximo à estabilidade após semana volátil.

Fundos compradores ontem estimados em: 6.000 contratos de soja; 5.000 contratos de milho; 3.000 contratos de farelo de soja; 1.500 contratos de trigo.

Plantio de trigo no Paraná praticamente finalizado, com 99,36%, segundo a SEAB. A área de plantio foi reduzida de 997,3 mil para 955,8 mil hectares e as condições das lavouras pioraram 16 pontos percentuais, para 66% bom.

Já no milho 2ª safra do Paraná, o tempo seco ajudou e a colheita avançou 13 p.p. na última semana, alcançando 42,8%. A comercialização está em apenas 19%, contra 43% de 2016.

O plantio de trigo na Argentina avançou 9,5 p.p. na última semana, para 92%, dos 5,4 milhões de hectares projetados para esta safra, segundo a Bolsa de Cereales.

A colheita de milho na Argentina avançou 3,3 p.p. na última semana, para 62,7%. A produtividade média está em 8,36 toneladas por hectare, com produção estimada em 39 milhões de toneladas.

O Conselho Internacional de Grãos (IGC) reduziu a estimativa de produção mundial de grãos 2017/18 devido às secas ao redor do mundo. O tempo seco deve afetar as produções de milho, trigo e cevada dos EUA, Europa e Austrália.

A estimativa da produção mundial de soja 2017/18 também foi reduzida, principalmente pela seca nos EUA. A produção de soja dos EUA foi revisada de 115,5 milhões para 112,8 milhões de toneladas. As produções de soja do Brasil e Argentina foram revisados para baixo, de 110 milhões para 109 milhões, e de 57,5 milhões para 57 milhões de toneladas, respectivamente.

O dólar virou para o negativo após PIB dos EUA. A economia dos EUA cresceu a uma taxa anualizada de 2,6% no 2º trimestre (1ª estimativa), após crescer 1,2% no 1º trimestre, segundo a Agência de Analise Econômica dos EUA. O resultado ficou pouco abaixo do esperado pelos analistas, de crescimento de 2,7%.

No Brasil, a moeda abriu com leve alta e agora vale R$3,1500, -0,05% (10h15), acompanhando a queda da moeda lá fora. O Banco Central finaliza hoje a rolagem dos contratos de swap cambial tradicional com vencimento em agosto, com oferta de até 7.500 contratos. O governo anunciou ontem o contingenciamento de R$ 5,9 bilhões e o remanejamento de R$ 2,2 bilhões do Orçamento deste ano. Com isso, o total de verbas bloqueadas para 2017 chega a R$ 44,9 bilhões. O corte atinge principalmente o Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), que perderá R$ 7,48 bilhões, sendo R$ 5,2 bilhões contingenciados e R$ 2,2 bilhões realocados. Ontem a moeda subiu 0,38%, a R$3,1561.

A taxa de desemprego no Brasil ficou em 13% no trimestre encerrado em junho, segundo a Pnad Contínua do IBGE. O resultado veio abaixo do esperado pelos analistas, de 13,3%. No mesmo período de 2016, a taxa de desemprego medida pela Pnad Contínua ficou em 11,3%.

As bolsas mundias operam majoritariamente em baixa nesta sexta-feira.

Os futuros do petróleo seguem em alta após queda nos estoques dos EUA.


CLIMA

No Brasil, tempo segue seco em boa parte do país até a próxima semana.

Previsão de Precipitação Brasil, 7 dias, em milímetros.

Previsão de Desvio de Precipitação Brasil, 7 dias, em milímetros.

Na Argentina, tempo segue predominantemente seco até a próxima semana.

Previsão de Precipitação Argentina, 7 dias, em milímetros.

Previsão de Desvio de Precipitação Argentina, 7 dias, em milímetros.

Precipitação Observada Argentina, 24 horas, em milímetros.

Nos EUA, tempo seco em boa parte do Meio-oeste durante o fim de semana. Chuvas de grande volume no Sul e região do Colorado, Kansas e Nebraska.

Previsão de precipitação EUA, 72 horas, em polegadas.

As temperaturas ficam abaixo da média para o período, ainda assim ficam em torno de 30ºC no Meio-Oeste e acima dos 35ºC mais ao sul.

Precipitação Observada EUA, 24 horas, em milímetros.

Precipitação Observada EUA, 7 dias, em milímetros.

Área de milho em estresse hídrico nos EUA passou de 13% para 15% na última semana. A área de soja passou de 12% para 14% e a de trigo de primavera de 50% para 53%.


PRÊMIOS


MATÉRIA DO DIA

9 motivos para comemorar o Dia do Agricultor

As razões para celebrar são muitas, mas compilamos algumas que demonstram a importância do produtor rural

POR FERNANDO BUMBEERS E LUCAS ALENCAR, Revista GloboRural

Muito além do alimento, agricultor é o responsável por fomentar e movimentar muitos outros setores da economia (Foto: Ernesto de Souza/ Editora Globo)
Em 28 de julho de 1860, o então imperador D. Pedro II criou a Secretaria de Estado dos Negócios da Agricultura, Comércio e Obras Públicas. Foi somente em 1930, depois de diversas mudanças de nomenclatura, governo e atribuições, que a pasta passou a se chama Ministério da Agricultura.
Para comemorar os 100 anos da criação do ministério, o presidente Juscelino Kubitschek determinou, em 1960, que no em 28 de julho passasse a ser comemorado o Dia do Agricultor.
A agricultura está presente em diversas atividades do dia-a-dia, sobretudo do brasileiro, mas, muitas vezes, contesta-se sua enorme importância. Grande parte dos alimentos que está em sua mesa, mesmo que você não imagine, passou pelas mãos de um agricultor – o responsável por cultivar grãos, sementes e hortaliças.
A fruta do café da manhã, as folhas de alface do almoço, o cafézinho no fim da tarde e aquele pedacinho de rapadura depois do jantar? Tudo culpa do agricultor.
Para não nos esquecermos da importância desta profissão, a Globo Rural elencou 7 motivos para entendermos melhor a importância dos agricultores. Confira:
1 – Setor primário da economia brasileiroA agricultura é uma das principais fontes de capital para o Brasil. Em 2013, representou 22,8% do PIB (Produto Interno Bruto) do país. O Brasil é grande produtor e exportador de cacau, laranja, cana-de-açucar, milho, soja, entre outros muitos produtos. Portanto, imagine se o agricultor resolver não ir trabalhar hoje!? A economia correria grandes riscos.
2 – Mercado exportadorAgricultura é responsável por quase metade do que é exportado no Brasil Recorramos aos números, novamente, para provar a importância da agricultura para o Brasil: Em 2013, o setor exportou o equivalente a US$100 bilhões, quase 42% do total de produtos que viajaram do Brasil rumo a outros países.
3 – Supremacia mundialOs números da agricultura colocam o Brasil no topo do mundo! Para exemplificar, analise o caso da soja. Nosso país é o maior produtor do grão no planeta, com produção quase 10% maior que a dos Estados Unidos. A área de soja plantada no Brasil é pouco maior que o tamanho do Estado de São Paulo.
4 – Produção de alimentosFrutas, grãos, doces… Já parou para pensar que tudo depende da agricultura?Almoçou arroz e feijão hoje? Agradeça aos agricultores. Eles são os responsáveis pelo cultivo de quase todos os alimentos que consumimos. Se for tomar um cafézinho hoje, não se esqueça que alguém teve que plantar e colher grãos de café. Uma fruta de sobremesa? Graças aos agricultores.
5- Geração de empregosAlém dos milhões de empregos gerados diretamente pela agricultura, o setor estimula a criação de vagas em diversas outras áreas. Na indústria têxtil, por exemplo, o algodão necessário para a confecção de roupas depende de uma boa safra e do trabalho do agricultor. Está vendo como é tudo começa na agricultura?
6 – PapelProdução brasileira de eucalipto e pinus é a maior do mundo.Rabiscou algum papel, leu um livro ou a Globo Rural desse mês? Culpa do agricultor. Se não fossem as plantações de árvores como como pinus e eucalipto, você não teria acesso a nenhum desses produtos supracitados. De acordo com dados da Associação Brasileira de Produtores de Florestas Plantadas (Abraf), a produtividade brasileira dessas duas árvores é a maior do mundo.
7 – Respeito aos recursos naturais
O profissional de agricultura respeita os recursos naturais com que trabalha. Da água ao solo e, principalmente, tem uma preocupação singular com a qualidade dos alimentos e produtos que entrega e vende.
8 – Criação de energia sustentávelGrandes plantações de cana-de-açúcar colocam o Brasil entre os grandes produtores de biocombustível.Os combustíveis renováveis são o futuro. E esse futuro nasceu na agricultura. O biocombustível é fabricado em escala comercial a partir de produtos agrícolas, como a cana-de-açúcar e soja.
9 – Atividade milenarO surgimento da agricultura marca o início de uma nova era: o período Neolítico. A profissão data de cerca de 3.000 a.C. Hoje muita coisa mudou, a tecnologia entrou em cena, mas nunca podemos nos esquecer da importância histórica desta profissão, que mudou a maneira como o homem passou a viver e enxergar o mundo.


 

Compartilhe nas redes sociais

Seja o primeiro à comentar.

Enviar comentário