Bom dia, a Bolsa de Chicago opera em baixa nos principais ativos.

O NOPA (Associação Nacional de Processadores de Oleaginosas) divulgou ontem o relatório de esmagamento de soja dos EUA de março. O processamento de soja foi de 153,06 milhões de bushels, contra 156,7 milhões de março de 2016, 142,8 milhões de fevereiro e 156,73 milhões da expectativa. Os estoques de óleo subiram de 1,77 bilhão para 1,815 bilhão de libras-peso, acima das expectativas do mercado.

A Conab realiza hoje leilões de Prêmio Equalizador Pago ao Produtor (PEPRO) e de Prêmio para o Escoamento de Produto (PEP) para o apoio à comercialização do trigo do Paraná, com a oferta de 30 mil toneladas de trigo para cada modalidade. Em março, a cotação média da saca de 60 kg foi de R$ 31,73, enquanto que em março de 2016 o preço foi de R$ 39,61, abaixo dos preços mínimos da Política de Garantia de Preços Mínimos (PGPM) do MAPA, de R$ 38,65 a saca.

O plantio de milho nos EUA atingiu 6% no domingo, contra 12% do ano passado e 9% da média dos últimos anos. As chuvas da última semana atrapalharam o andamento da semeadura, principalmente na região central dos EUA.

O USDA divulgou ontem o relatório de embarques semanais de grãos dos EUA. Na semana encerrada no dia 13, os embarques de soja foram de 430,88 mil toneladas, contra 889,77 mil da semana anterior e 268 mil do mesmo período do ano passado. Na temporada, os embarques de soja somam 48,26 milhões de toneladas, contra 42,44 milhões da temporada anterior. Os embarques de milho foram de 1,33 milhão de toneladas, contra 1,21 milhão da semana anterior e 1,1 milhão do mesmo período do ano passado. Na temporada os embarques somam 35,88 milhões de toneladas, contra 21,87 milhões de 2015/16.

O dólar opera em baixa frente a outras moedas após a primeira-ministra britânica, Theresa May, anunciar eleições legislativas antecipadas para 8 de junho, três anos antes do que estava previsto, como uma tentativa para agilizar as negociações sobre o Brexit. Com a declaração, a libra opera com mais de 1% de alta frente ao dólar, no maior nível em mais de 2 meses.

No Brasil, a moeda abriu com leve alta e agora vale R$3,0977, -0,27% (10h30). O Banco Central dá sequência à rolagem dos contratos de swap cambial tradicional no dia de hoje, com a oferte de até 16.000 contratos com valor de venda de US$800 milhões. Mantendo este ritmo diário, o BC deve rolar integralmente os contratos com vencimento em maio. O deputado Arthur Oliveira Maia (PPS-BA) apresenta hoje o relatório da reforma da Previdência à comissão especial da Câmara, com expectativa de votação até a próxima semana. O BC divulgou hoje a ata da última reunião do Copom, quando reduziu a taxa básica de juros da economia em 1 ponto percentual, para 11,25% ao ano. Segundo a ata, os membros do Comitê cogitaram um corte maior dos juros nesta reunião.

As bolsas asiáticas fecharam majoritariamente em baixa hoje. Somente no Japão a Nikkei fechou com alta de 0,35%. O restante das bolsas mundias operam em baixa.

Os futuros do petróleo operam em baixa após as altas recentes e em meio a preocupações com o aumento na produção de xisto dos EUA.

As construções de novas moradias nos EUA recuaram 6,8% em março na comparação mensal, para a taxa anualizada de 1,215 milhão, segundo o Departamento do Comércio. As permissões para novas obras subiram 3,6% no período, para o nível anual sazonalmente ajustado de 1,260 milhão. Os analistas previam recuo menor, de até 4%. O dado de fevereiro foi revisado de avanço de 3,0% para uma alta maior, de 5,0%.


CLIMA

 

No Brasil, tempo predominantemente seco hoje em todo o país. No Centro-sul as temperaturas ficam mais baixas com a passagem de uma massa de ar polar. Uma área de baixa pressão sobre o Paraguai deve provocar temporais na porção oeste da região Sul a partir de amanhã.

Previsão de Precipitação Brasil, 24 horas, em milímetros.

Na Argentina, tempo predominantemente seco nas regiões produtoras de soja e milho hoje.

Previsão de Precipitação Argentina, 24 horas, em milímetros.

Precipitação Acumulada Argentina, 24 horas, em milímetros.

Nos EUA, chove em boa parte do Meio-oeste hoje, com os maiores volumes entre o Nebraska e Iowa.

Previsão de precipitação EUA, 24 horas, em polegadas.

Precipitação Acumulada EUA, 24 horas, em milímetros.


PRÊMIOS

 

Paranaguá

Golfo do México – EUA


MATÉRIA DO DIA

 

Lua de Saturno ‘tem potencial de abrigar vida’, diz Nasa
Jonathan Amos, Correspondente de Ciência da BBC


Jatos de vapor d’água expelidos por uma rede de gêiseres tornam mais fácil investigar lua de Saturno

A lua gelada de Saturno Enceladus pode ser o melhor lugar para encontrar vida além da Terra, segundo cientistas da Nasa, a agência espacial americana.
A afirmação ocorre após novas observações feitas pela sonda Cassini no pequeno satélite, que tem um raio de 500 km. A sonda deu um “rasante” pela superfície de Enceladus e recolheu amostras dos jatos de vapor d’água que a lua emite a partir de seu polo sul.
A análise química da água, que vem de um oceano subterrâneo do satélite, sugere que seu leito oceânico possui fontes hidrotermais – locais que, na Terra, são repletos de micro-organismos.
Os cientistas esclarecem que a existência destes sistemas hidrotermais não é garantia de que há micróbios, por exemplo, em Enceladus. O ambiente pode ser estéril. Mas os resultados obtidos pela Cassini justificam voltar à lua de Saturno com instrumentos mais sofisticados para refazer os testes.
“Temos basrtante certeza de que o oceano interno de Enceladus é habitável e precisamos voltar para investigar mais”, disse à BBC o pesquisador Hunter Waite, do Instituto de Pesquisas do Sudoeste em San Antonio, no Texas, um dos responsáveis pela Cassini.
“Mesmo que não haja vida lá, por que não ir? E, se houver, tanto melhor. Mas queremos fazer estas perguntas porque, devido às condições do local, não ter vida seria quase tão interessante quanto ter.”
Na Terra, micróbios em fontes hidrotermais nos oceanos sustentam organismos mais complexos

Respiradouro
Os cientistas acreditam que o oceano subterrâneo de Enceladus fica sob uma camada de gelo e tem muitos quilômetros de profundidade. A água seria mantida em estado líquido pelo calor gerado pela pressão gravitacional constante que a lua recebe de Saturno.
Uma das principais missões da Cassini será tentar detectar moléculas de hidrogênio. Isso seria um sinal da existência de respiradouros quentes no fundo do oceano gelado. Isso seria outro fator que poderia contribuir para a existência de vida.
Tais respiradouros existem na Terra e fornecem energia e nutrientes para ecossistemas marinhos de alta profundidade. Nesses sistemas, a água é puxada para o leito rochoso, aquecida e saturada com minerais antes de ser expelida.


Análises anteriores da Cassini já haviam identificado a presença de sais e compostos orgânicos nos jatos de água. Indicadores da existência de respiradouros seriam as partículas de sílica e metano.
Mas o que os cientistas realmente queriam saber era se um processo específico que ocorre na Terra também estaria ocorrendo em Enceladus – a serpentinização.
Nas cadeias montanhosas em meio aos oceanos do nosso planeta, a água salgada passa por rochas quentes que são ricas em ferro e magnésio, reagindo com elas. Os minerais nas rochas incorporam moléculas de água em sua estrutura e, assim, liberam hidrogênio – que pode ser usado por alguns micróbios como fonte de energia para seu metabolismo.
Agora, a Cassini confirmou definitivamente que há hidrogênio na pluma de vapor d’água ejetada em Enceladus.
“Se você fosse um micro-organismo, hidrogênio seria como doce – sua comida favorita”, explica Christopher McKay, astrobiólogo da Nasa.
“Ele é muito bom em termos de energia e consegue sustentar muito bem os micro-organismos. Encontrar hidrogênio é uma ótima notícia – é a cereja do bolo no argumento de que há potencial para a vida.”
O micróbios descritos por McKay são chamados de metanógenos, porque produzem metano através da reação do hidrogênio com o dióxido de carbono.
Europa, lua de Júpiter, tem um oceano de água salgada sob uma grossa camada de gelo

Facilidade
A Nasa planejava fazer o anúncio sobre a confirmação da existência de hidrogênio dois meses depois do último rasante da Cassini pelos jatos de vapor d’água, em outubro de 2015. Mas a agência decidiu segurar a informação.
Uma das preocupações era que o espectrômetro presente na sonda produzisse hidrogênio molecular sozinho, caso a água entrasse no instrumento de uma maneira específica.
A equipe de Hunter Waite passou um ano analisando os dados para certificar-se de que o hidrogênio de fato vinha do vapor d’água de Enceladus.
A missão da Cassini está chegando ao fim. Depois de passar 12 anos circulando Saturno, a sonda está com pouco combustível e deve ser deixada na atmosfera do planeta em setembro – para garantir que ela não colidirá com Enceladus no futuro.
Apesar de eficientes, os instrumentos da Cassini não foram criados para detectar vida diretamente na lua de Saturno. Para isso, seria necessário um novo tipo de espectrômetro. A agência pretende enviá-los em 2026.
Nasa já aprovou uma missão para a Europa, a lua oceânica de Júpiter – onde o processo de serpertinização provavelmente acontece.

No fim de sua missão, a Cassini será abandonada na atmosfera de Saturno

Mas a camada de gelo em Europa é mais grossa e é possível que uma pequena quantidade de água consiga escapar para ser recolhida por uma sonda.
O apelo de Enceladus é a facilidade com que sua superfície consegue ser estudada, já que uma rede de gêisers ejeta vapor d´água para o espaço.
A sonda só precisa voar em meio a estes jatos para colher material.
“Para ter vida, precisa-se de água líquida, de materiais orgânicos e dos elementos carbono, hidrogênio, nitrogênio, oxigênio, fósforo e enxofre. Ainda não medimos os índices de fósforo e enxofre em Enceladus, mas é preciso ter alguma fonte de energia metabólica, e os resultados encontrados por Cassini são muito importantes”, diz Waite.

O estudo dos cientistas da Nasa foi publicado na revista científica Science.


Compartilhe nas redes sociais

Seja o primeiro à comentar.

Enviar comentário