Bom dia, a Bolsa de Chicago opera em baixa nos principais ativos.

Fundos vendedores ontem estimados em: 16.000 contratos de milho; 3.000 contratos de soja; 3.000 contratos de óleo de soja. Fundos compradores estimados em 1.000 contratos de trigo e 500 contratos de farelo de soja.

O USDA divulgou ontem o relatório de embarques semanais na semana encerrada no dia 15. Os embarques de soja foram de 275,46 mil toneladas, contra 511,7 mil da semana anterior e 315,38 mil do mesmo período do ano passado. Na temporada, os embarques de soja totalizam 51,89 milhões de toneladas, contra 44,13 milhões do mesmo período do ano passado. Os embarques de milho foram de 1,22 milhão de toneladas, contra 1,07 milhão da semana anterior e 1,24 milhão de 2016. Na temporada, os embarques de milho somam 46,63 milhões de toneladas, contra 32,41 milhões da temporada anterior.

O plantio de soja nos EUA atingiu 96%, contra 95% do ano anterior e 93% da média dos últimos anos, segundo o USDA. A emergência atingiu 89%, contra 84% da média. As condições das lavouras tiveram melhora de 1 ponto percentual de bom/excelente na última semana, para 67% b/e.

As condições das lavouras de milho nos EUA permaneceram com 67% bom/excelente, passando 2 pontos percentuais de bom para excelente.

O dólar opera em alta frente a outras moedas. Frente a libra esterlina, a moeda opera com mais de 0,6% de alta após o presidente do Banco da Inglaterra (BoE), Mark Carney, afirmar que ainda não é hora de elevar os juros no país. Na última reunião do BoE, realizada na última semana, o BC manteve as taxas de juros inalteradas no país.

No Brasil, a moeda abriu com leve alta e agora vale R$3,3012, +0,35% (10h05). O Banco Central segue com a rolagem dos contratos de swap cambial tradicional com vencimento julho, com a oferta de até 8.200 contratos no dia de hoje. Mercado atento hoje à votação do relatório da reforma trabalhista na Comissão de Assuntos Sociais do Senado (CAS). Hoje também a Primeira Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) analisa o pedido de prisão apresentado pela Procuradoria Geral da República (PGR) contra o senador afastado Aécio Neves (PSDB-MG). A sentença do juiz Sérgio Moro no caso triplex do Guarujá, em que o ex-presidente Lula e outros seis réus são acusados em um esquema de corrupção envolvendo a empreiteira OAS e a Petrobras pode sair a partir de amanhã. Ontem a moeda caiu 0,07%, a R$3,2849.

As bolsas asiáticas fecharam majoritariamente em baixa hoje, enquanto os mercados aguardam decisão do MSCI, se incorpora as ações da China no Índice de Mercados Emergentes ou não. O restante das bolsas mundiais operam em campo misto.

Os futuros do petróleo operam com mais de 2% de baixa, com o aumento das preocupações com a sobre oferta da commoditie, nos menores níveis desde novembro de 2016. O Instituto Americano de Petróleo (API) divulga hoje dados de estoques dos EUA.


CLIMA

 

No Brasil, tempo predominantemente seco hoje.

Previsão de Precipitação Brasil, 24 horas, em milímetros.

Na Argentina, tempo estável hoje.

Previsão de Precipitação Argentina, 24 horas, em milímetros.

Precipitação Observada Argentina, 24 horas, em milímetros.

Nos EUA, chuvas isoladas hoje no Meio-oeste. Alerta de temporais no Golfo do México.

Previsão de precipitação EUA, 24 horas, em polegadas.

Precipitação Observada EUA, 24 horas, em milímetros.

Precipitação Observada EUA, 7 dias, em milímetros.


PRÊMIOS

 


MATÉRIA DO DIA

 

Em vídeo, Airbus mostra funcionamento de seu táxi voador autônomo
Gustavo Sumares, Olhar Digital

A empresa Vahana, uma divisão experimental da Airbus, vem falando há bastante tempo sobre criar táxis voadores que não precisam de motorista. E, depois de divulgar uma série de desenhos mostrando como esses veículos devem operar, a empresa agora soltou um vídeo sobre o funcionamento deles.

Os Vahanas – táxis voadores – poderão ser solicitados por aplicativo. O usuário pede ou agenda uma viagem com o veículo, vê quanto ela vai custar, quanto tempo vai levar e se direciona até um ponto de pouso para entrar no Vahana. No vídeo, a viagem de exemplo é de San José até San Francisco, na Califórnia. O percurso, que levaria cerca de uma hora de carro, leva 18 minutos no Vahana e custa US$ 77 – basicamente o mesmo preço de um Uber na mesma distância. Veja o vídeo abaixo:

O vídeo também mostra um pouco da tecnologia que os Vahanas usarão. Todos eles ficam em comunicação constante com uma central de tráfego aéreo que coordena o trajeto de voo dos táxis-aéreos. É essa central a responsável por determinar a rota do veículo quando o usuário informa aonde quer ir, para que ela não entre em conflito com a rota dos outros Vahanas.

Antes de se levantar, o táxi-aéreo faz uma série de verificações do sistema para garantir que tudo está funcionando bem. Enquanto isso, o passageiro se acomoda no único assento disponível. Quando o passageiro está acomodado e as checagens se encerram, ele é então solicitado a confirmar que está pronto para a decolagem.

Durante o voo, o transporte aéreo usa sensores para detectar objetos e movimentos próximos a si. Isso permite que ele desvie de pássaros, por exemplo. Ao encontrar algum obstáculo desse tipo, o veículo também transmite informações sobre sua posição, velocidade e tamanho a outros Vahanas próximos para que eles possam alterar suas rotas de acordo.

Embora a Airbus não tenha mencionado ainda quando pretende começar a operar os Vahanas comercialmente, é provável que algum tipo de teste comece já no ano que vem. Isso porque outras empresas já estão de olho nesse mercado, como a chinesa Ehang e a alemã E-Volo. Esta última, aliás, já tem seu próprio projeto de táxi voador autônomo, que deve começar a operar em 2018.


Compartilhe nas redes sociais

Seja o primeiro à comentar.

Enviar comentário